O pecuarista Joarez Vilas Boas, proprietário de uma área de 658 hectares, localizada no município de Santo Antônio do Leverger (34 km ao Sul de Cuiabá), solicitou da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) um levantamento de solos da sua propriedade para verificar a capacidade do uso agrícola, como por exemplo, realizar o plantio de culturas anuais como soja, milho em integração com pasto.

 Foto por: João de Melo/Empaer
Foto por: João de Melo/Empaer

O pecuarista Joarez Vilas Boas, proprietário de uma área de 658 hectares, localizada no município de Santo Antônio do Leverger (34 km ao Sul de Cuiabá), solicitou da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) um levantamento de solos da sua propriedade para verificar a capacidade do uso agrícola, como por exemplo, realizar o plantio de culturas anuais como soja, milho em integração com pasto.

O Doutor em Agricultura Tropical e pesquisador da Empaer, Fabricio Tomaz Ramos, fala que esse trabalho é inédito no Estado e pretende auxiliar produtores rurais na definição de cultivos e criações em suas terras evitando impactos ambientais, sociais e econômicos.

Com a criação de gado de corte, o pecuarista e também cirurgião dentista, possui a fazenda há mais de 18 anos. Ele tem a intenção de diversificar o plantio para soja, milho e pasto, caso a pesquisa confirme a aptidão para cultivos anuais. Antes de fazer o investimento quer saber se a escolha das culturas é compatível com o solo existente na sua área.

O trabalho de pesquisa mostra que a terra deve ser usada em função da sua capacidade de uso adequada, que pressupõe a disposição apropriada de florestas ou reservas, cultivos perenes, cultivos anuais, pastagens e etc.

João de Melo | Empaer

Com um plantel de 270 cabeças de gado nelore, o pecuarista utiliza técnicas do bem-estar animal que garante o acesso dos animais a comida, água fresca, manejo adequado e outros. Da mesma forma, quer utilizar da tecnologia para realizar cultivos anuais.

“A intenção é verificar quais culturas podemos cultivar e quais não devemos. Quero verificar de forma científica o que posso produzir, que seja viável para o solo e para a manutenção da fazenda”, salienta.

De acordo com Fabrício, essa metodologia é muito útil para planejar o uso agropecuário e garantir a conservação do solo e dos recursos hídricos, pois garantirá que os solos sejam usados de acordo com a sua máxima capacidade sem degradá-los.

A pesquisa vai descobrir o potencial das terras e a metodologia poderá ser aplicada em qualquer propriedade rural, independente do seu tamanho.

Usar a terra conforme sua capacidade e aptidão agropecuária específica, segundo o pesquisador, é a primeira estratégia para contribuir com uma agricultura sustentável e conservacionista do meio ambiente. Esse é um trabalho piloto executado pela área de pesquisa e extensão rural da Empaer, que considera dados de solo, clima, vegetação, entre outros.

O trabalho conta com a parceria do engenheiro agrônomo da Empaer, Osmar de Assis Alves e do engenheiro florestal e mestrando da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Hector Lopes de Oliveira.

Extensionistas | Empaer

De acordo com Ramos, já foram coletadas mais de 100 amostras de solo e encaminhadas para o laboratório. A previsão é que em março de 2020, o pecuarista tenha os resultados. O trabalho de campo e análises laboratoriais vão levar 90 dias para a conclusão.

A intenção da equipe é aplicar essa metodologia de forma participativa para outros produtores interessados. “Nosso trabalho tem a finalidade de contribuir com a agricultura de Mato Grosso”, enfatiza.

Rosana Persona | Empaer-MT

 

COMPARTILHE

DEIXE UMA RESPOSTA