STF: guardas municipais não têm direito a aposentadoria especial

sO Supremo Tribunal Federal (STF) reafirmou sua jurisprudência dominante de que os guardas civis municipais não têm direito à aposentadoria especial por exercício de atividade de risco.

O tema é objeto de um recurso que teve repercussão geral reconhecida e julgamento de mérito no plenário virtual.

No caso dos autos, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) reformou decisão de primeira instância que havia reconhecido o direito a um integrante da Guarda Civil de Jundiaí (SP). Segundo o acórdão da corte paulista, o legislador não contemplou as guardas municipais com o direito previsto no artigo 40, parágrafo 4º, inciso II, da Constituição Federal, que admite a adoção de requisitos diferenciados de aposentadoria, por meio de lei complementar, para servidores que exerçam atividades de risco.

No recurso ao STF, o servidor alegou que a aposentadoria especial dos guardas municipais também pode ser concedida com base no fundamento de prejuízo à saúde ou à integridade física. Sustentou que o acórdão do TJSP violou a Súmula Vinculante 33 da Corte, que prevê a aplicação aos servidores públicos das regras do regime geral da previdência social sobre aposentadoria especial.

Ainda de acordo com o autor do recurso, no Mandado de Injunção coletivo (MI) 2790, o STF reconheceu a mora legislativa e ordenou que os pedidos de aposentadoria especial formulados por servidores do município de Jundiaí submetidos a agentes insalubres ou perigosos fossem analisados pela autoridade administrativa competente.

Manifestação

Em manifestação no plenário virtual, o ministro-relator, Dias Toffoli, presidente do STF, verificou que o tema em análise apresenta relevância jurídica, econômica e social e transcende os limites subjetivos da causa.

Ele destacou que a fundamentação utilizada para solucionar a demanda referente à Guarda Municipal de Jundiaí servirá de parâmetro para a solução de processos semelhantes relativos a outras unidades da federação.

No mérito, o ministro ressaltou que, em diversos precedentes, o STF entendeu que a eventual exposição a situações de risco a que podem estar sujeitos os guardas municipais não garante direito subjetivo constitucional à aposentadoria especial, pois suas atividades não são inequivocamente perigosas.

O entendimento do STF, segundo o relator, é de que esses servidores não integram o conjunto dos órgãos de Segurança Pública relacionados na Constituição Federal, pois sua missão é proteger os bens, os serviços e as instalações municipais.

Assim, não se estende à categoria o regime da Lei Complementar nº 51, que dispõe sobre a aposentadoria do servidor público policial. Com base nessa orientação, lembrou Toffoli, o plenário afastou a existência de omissão legislativa no caso. (Com informações do STF)

Jornalista:  THAYNA SCHUQUEL

Fonte: Metrópoles

COMPARTILHE

DEIXE UMA RESPOSTA