Deputado Vitório Galli entra na disputa para ser vice de Bolsonaro

untitledO deputado federal Victório Galli Filho (PSL-MT) ganhou concorrência de peso para assumir a vaga de vice na chapa encabeçada por Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República.

O nome do professor e pastor evangélico foi ventilado durante a convenção do PSL, ocorrida no último domingo (22/7), e reforçado na terça-feira (24) quando ele participou do lançamento da pré-candidatura de Pedro Taques (PSDB) ao governo do Mato Grosso

. No entanto, o parlamentar terá que superar o astronauta brasileiro Marcos Pontes, e o chefe da Casa Imperial do Brasil, príncipe Luiz Philippe de Orléans e Bragança nessa corrida.

No evento em que comentou a possibilidade de endossar a candidatura de Bolsonaro, Galli disse a jornalistas ser um “soldado do partido” e ter o melhor perfil, dentro do PSL, para formar uma chapa pura. “Por ser professor, pela ligação com o segmento evangélico e defesa da família e dos valores cristãos”, declarou. O político, anteriormente ligado ao PSC, filiou-se à nova sigla justamente para apoiar o deputado carioca.

Embora tenha topado entrar na missão de tentar eleger o capitão reformado à presidência, Galli discordou do possível parceiro em uma pauta polêmica na Câmara Federal.

Nas duas votações de denúncias que discutiam a abertura de investigação contra o presidente Michel Temer (MDB), no Supremo Tribunal Federal (STF), o parlamentar do Mato Grosso foi favorável ao arquivamento. Bolsonaro, por sua vez, se posicionou pelo prosseguimento.

Caso venha a ser o escolhido, polêmicas que cercam o professor devem vir à tona. Ele é um nome dentre os mais de 200 envolvidos na denúncia da “farra das passagens aéreas”, investigação do Ministério Público Federal (MPF) sobre gastos com viagens no período de janeiro de 2007 a fevereiro de 2009. Nesse caso, ele defendeu que era suplente e ter feito uso da cota somente para atividades estritamente parlamentares.

Galli também tem nas costas uma ação civil pública por dano moral coletivo, no valor de R$ 500 mil, movida pela Defensoria Pública do Mato Grosso. Segundo a acusação, declarações do político atentaram contra a dignidade da comunidade LGBTT. Em uma entrevista à Rádio Capital FM, Galli sugeriu a homossexualidade de personagens da Disney e também afirmou que “isso é o que eles fazem para enganar as pessoas”, com o objetivo de “destruir famílias”.

A pré-campanha de Jair Bolsonaro é uma das que têm enfrentado problema para encontrar um vice. Antes favorita a formar a aliança do PSL, a advogada e professora da USP Janaína Paschoal  está praticamente descartada.

A indecisão e o pedido de tempo para pensar sobre um eventual “sim” pesaram e desanimaram os correligionários da sigla. Antes dela, o general reformado Augusto Heleno e o senador Magno Malta (PR) foram sondados, mas recusaram o convite. Agora, a corrida está entre Galli, Marcos Pontes e Luiz Philippe de Orléans e Bragança.

A reportagem procurou a assessoria de Victório Galli por meio de contato telefônico e por e-mail, mas não obteve resposta até a última atualização dessa matéria.

Projetos de lei O parlamentar do Mato Grosso tem entre seus projetos de lei (PL) um que disciplina a concessão da posse de armas aos caminhoneiros, restrita ao interior do veículo, e outro que regulamenta o esporte paintball, airsoft, no país.

Há também texto que pretende proibir a união estável entre mais de duas pessoas, sejam elas de sexo opostos ou não, e projeto que regulamenta a proibição da venda de salgadinhos industrializados e refrigerantes em escolas publicas.

O professor também pretende dificultar o uso de banheiros públicos por pessoas trans, obrigando-as a comprovar tratamento hormonal, cirurgia de mudança de sexo e alteração de nome por decisão judicial transitada em julgado. Em 2016 ele havia se posicionado contra o uso do nome social de travestis e transexuais nos órgãos da administração pública direta e indireta.

Jornalista: Ian Ferraz

COMPARTILHE

DEIXE UMA RESPOSTA