Transformação e adequação do sistema de saúde é uma mudança urgente e necessária, alertam especialistas

Maurcio Ceschin- - Foto Tchelo Figueiredo (002)Uma floresta é atingida por um incêndio e, por instinto, os bichos começam a fugir. De repente, na correria, o leão vê um pequeno beija-flor carregando em seu bico um dedal. Em um ritual, o pássaro o enche no rio e retorna para tentar apagar o fogo que se alastra.

Curioso, o leão se aproxima dele e pergunta: você acha que vai conseguir apagar o incêndio com um simples dedal?”. O beija-flor responde: “Eu não. Mas, pelo menos estou fazendo a minha parte”. 

É com o exemplo da fábula de Hebert José de Sousa que o presidente da Federação Internacional de Hospitais (IHF), Francisco Balestrin, traçou um paralelo com o desafio de desconstruir o sistema de saúde vigente no país para, então, substituí-lo por um método mais eficiente e acessível – que vise, acima de tudo, o alcance e a satisfação do paciente, não apenas o lucro. “Se todos nós fizéssemos apenas a nossa parte, teríamos bons resultados no coletivo”, reforça. 

Para ampliar a discussão desses conceitos, o “3º Simpósio do Hospital Santa Rosa em Gestão Hospitalar” – que teve início na noite desta quinta-feira (3.05) e continua nesta sexta (4.05), no hotel Gran Odara, em Cuiabá – trouxe a palestra “A Agenda de Valor para o Paciente – Uma Solução para o Sistema?”, que também contou com a participação do ex-diretor da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Maurício Ceschin. 

De acordo com os especialistas, a ideia por trás da geração de valor é justamente redesenhar o sistema de saúde. Isto, de forma que as instituições estejam focadas no paciente e não na especialidade. Por outro lado, ressaltam a importância de existirem equipes assistenciais extremamente dedicadas à auto formação. 

“A mudança de estrutura vai ao encontro da sustentabilidade de modelo, da melhoria de qualidade assistencial, da redução de custo e da possibilidade de fazer com que todos os atores do sistema caminhem na entrega de valor aos pacientes”, ponderou Maurício. 

SIMPÓSIO – Promovido pelo Santa Rosa, o evento tem como foco reunir profissionais da área de saúde, empresários do segmento, médicos e estudantes de medicina. A ideia é apresentar informações que visem ampliar as relações comerciais, humanas, sociais e tecnológicas. Em sua terceira edição, o simpósio traz como tema central “Relacionamento com Geração de VALOR para o Paciente”. 

“Discutir a saúde é o que a saúde precisa. Investir em ações que possam difundir conhecimento é primordial para a garantia de sua qualidade, sustentabilidade e segurança. Se novos olhares guiam o futuro, antes temos como desafio compreender o passado e avaliar o presente. Tanto que temos um tema atual e contamos com palestrantes e convidados de prestígio nacional e internacional que pensam o setor de forma inteligente”, reforça o diretor presidente do Grupo Santa Rosa, José Ricardo de Mello.      

ACREDITAÇÃO – Ao completar 20 anos, o Santa Rosa é o único hospital de Mato Grosso certificado pela Acreditação Canadense, nível Diamond – uma das principais certificações de qualidade em saúde no mundo. A instituição também é certificada Excelência, Nível III, pela Organização Nacional de Acreditação (ONA).

Assessoria

 

COMPARTILHE

DEIXE UMA RESPOSTA