Deputado Mauro Savi e primo do governador, Paulo Taques são presos por esquema de fraudes no Detran-MT

untitledO deputado estadual Mauro Savi (DEM) e o primo do governador Pedro Taques (PSDB) e ex-secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques foram presos na manhã desta quarta-feira pelo Núcleo de Ações de Competência Originária (NACO) Criminal e o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (GAECO), dentro da “Operação” Beberé”, denominada de “Bônus”. Savi teve seu afastamento como parlamentar determinada pela Justiça de Mato Grosso.

Os dois já se encontram na sede do Gaeco e as prisões só foram possíveis depois que os empresários José Henrique Gonçalves e José Ferreira Gonçalves Neto, donos da EIG Mercados (antiga FDL), empresa suspeita de fraudar contrato com o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) fizeram delação premiada, acusando o deputado e o ex-secretário.

Foram expedidos seis mandados de prisões, sendo que cinco já foram cumpridas, uma delas em Brasília, entre eles os empresários Roque Anildo Reinheimer e Claudemir Pereira dos Santos, vulgo “Grilo”.

Segundo o Gaeco, o esquema teria fraudado cerca de R$ 27,7 milhões que teriam sido distribuídos como propina a diversos agentes públicos, entre eles deputados estaduais.

Os deputados estaduais Eduardo Botelho (DEM), Mauro Savi (DEM), Wilson Santos (PSDB), Baiano Filho (PSDB), Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD), Romoaldo Júnior (MDB) e José Domingos Fraga (PSD) são investigados.

Segundo informado pelo próprio Ministério Público, a operação Bônus é resultado da análise dos documentos apreendidos na primeira fase da Bereré, dos depoimentos prestados no inquérito policial e colaborações premiadas. Tem como objetivo desmantelar organização criminosa instalada dentro do Detran para desvio de recursos públicos.

Participaram da operação “Bônus” o Núcleo de Ações de Competência Originária (NACO) Criminal e o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (GAECO). Foram expedidos, pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso, 06 mandados de prisão preventiva e 05 de busca e apreensão em Cuiabá, São Paulo e Brasília. As ordens partiram do desembargador José Zuquim Nogueira.

O esquema fraudulento foi denunciado pelo irmão do ex-governador de Mato Grosso Silval Barbosa (MDB).
Segundo o MPE, foram expedidos, pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso, seis mandados de prisão preventiva e cinco de busca e apreensão em Cuiabá, São Paulo e Brasília. As ordens partiram do desembargador José Zuquim Nogueira. Dos seis mandados de prisão, cinco já foram cumpridos.

O quinto mandado de prisão preventiva foi cumprido em Brasília. Conforme o MPE, o empresário José Kobori foi preso em Brasília.Os presos estão sendo encaminhados ao GAECO e, à tarde, passarão por audiência de Custódia.

24HORASNEWS

COMPARTILHE

DEIXE UMA RESPOSTA