Nadadores estranham novo critério para o Mundial e são obrigados a torcer contra companheiros

untitledNos últimos anos, o critério para fazer parte das seleções em Campeonatos Mundiais e Olimpíadas na natação era simples: a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) estipulava um índice em cada uma das provas, quem nadava abaixo disso se classificava.

Para o Mundial desse ano, que será na Hungria, por causa da falta de recursos, a equipe será bem menor. Por isso, o critério mudou, e a comissão técnica está comparando os resultados de provas diferentes para estabelecer os oito melhores índices entre todas as categorias para formar a equipe.

A mudança causa um estranhamento para os atletas. Nas outras ocasiões, já saiam da piscina sabendo se estariam classificados para a competição. Agora, os atletas nadam e só vão saber da vaga no dia 11 de maio, depois de uma reunião da comissão técnica. Segundo colocado da lista dos oito índices técnicos (veja lista abaixo), João Gomes, dos

100m peito, evitou, de todas as maneiras, dizer que torce contra os companheiros:
– A gente agora tem que torcer contra..Não é torcer contra eles, claro que não, essa não é a palavra…Meu Deus, essa não é a palavra, não é torcer contra…É acompanhar os outros resultados e ver se eu sigo com a vaga – disse João, quinto colocado na Olimpíada.
Classificados até o momento para o Mundial

  1. Felipe Lima do Minas 100 peito 930 pontos
  2.  João Luiz Gomes Jr do Pinheiros 100 peito 926 pontos
  3.  Thiago Simon do Unisanta 200 peito 915 pontos
  4.  Henrique Martins do Minas 100 borboleta 901 pontos
  5.  Guilherme Guido do Pinheiros 100 costas 901 pontos
  6.  Brandonn Almeida do Corinthians 400 medley 900 pontos
  7.  Gabriel Silva Santos do Pinheiros 100 livre 899 pontos
  8. Leonardo de Deus do Unisanta 200 borboleta 883 pontos

A primeira seletiva foi realizada em dezembro do ano passado e a segunda e última é o Maria Lenk, que teve início na terça-feira e vai até sábado. Guilherme Guido fez o tempo de 53s76 nos 100m costas, o 10º melhor do mundo da temporada, e quinto na lista dos classificados para o Mundial, mas tem que esperar todas as provas do Troféu:

  • É engraçado por que a gente não costuma ver atletas de outros estilos como adversários, meus adversários sempre foram os atletas da minha prova e o próprio placar. Esperar as provas dos outros para ver o que acontece é estranho -disse Guido.
  • A pontução é deteminada pela tabela da Federação Internacional de Natação (FINA). Nela, o tempo referente ao recorde mundial em cada uma das provas vale 1000 pontos.
  • Quanto mais perto do recorde, maior é a pontuação. Isso causa algumas distorções. O tempo de Thiago Simon, 3º na lista do país, feito nos 200m peito (2m10s78) seria o 12º da Olimpíada. Para fazer os mesmos 910 pontos de Thiago, mas nos 50m livre, Cesar Cielo teria que fazer 21s57, que seria 4º colocado nos Jogos do Rio. O próprio Cielo não aprova o critério:
  • – Olha, seria melhor se fizessem um critério utilizando o ranking mundial, ou algo do tipo, a tabela da FINA tem alguns problemas – disse.
    A própria CBDA já admite que o critério pode mudar. É provável que, em reunião do dia 11 de maio, a entidade aumente o número de atletas com um aporte financeiro do Comitê Olímpico do Brasil (COB). Ricardo Prado, vice-campeão olímpico em 1984 e hoje coordenador geral da entidade, explica:
  • – Ficou estabelecido pela comissão que o critério seria os oito, e a gente prometeu que vai levar esses oito. Se tivermos bons resultados, vamos tentar levar mais, vamos tentar levar revezamentos também. A gente procura finais e medalhas no Mundial, vamos esperar o fim do Maria Lenk e definir tudo – disse o dirigente.
  • O Maria Lenk segue nesta quinta-feira com os 100m livre, 50m peito, 50m costas e 200m borboleta, tanto no masculino, como no feminino.
COMPARTILHE

DEIXE UMA RESPOSTA